Conheça 5 tipos de fundos de investimentos

O que são fundos de investimentos e quais são os principais tipos que merecem sua atenção? É o que você vai conferir no post de hoje!

 

As aplicações financeiras têm ganhado grande popularidade nos últimos anos. Muitos brasileiros já entenderam que a tradicional poupança apresenta poucas vantagens, especialmente no que se refere à baixa rentabilidade. Por esse motivo, algumas alternativas estão se destacando no mercado. É o caso dos fundos de investimentos.

Essa modalidade de aplicação compreende diversos tipos de investimentos que permitem um bom retorno para o investidor. Por isso, neste post você vai conferir os 5 principais fundos de investimentos. Entenda como funcionam, suas características e para que perfis de pessoas eles são recomendados.

Entenda primeiro o que são fundos de investimentos

Fundos de investimentos são aplicações financeiras que reúnem o dinheiro de diversas pessoas para formar um único patrimônio a ser aplicado em diferentes ativos, conforme o tipo do fundo. É muito comparado a um condomínio, no qual cada morador tem um apartamento e paga uma mensalidade para que o imóvel seja administrado.

Da mesma maneira, vários investidores aplicam em um mesmo fundo e recebem uma cota do rendimento desse patrimônio. Para isso ser possível, há um gestor ou uma instituição que administra essa carteira de investimentos. Por esse motivo, haverá algumas taxas a serem pagas. São elas:

  • taxa de administração: referente à remuneração do gestor e demais instituições presentes na operacionalização do fundo;
  • taxa de performance: é cobrada quando a rentabilidade do fundo ultrapassar a rentabilidade do indicador de referência escolhido. Por exemplo, digamos que o indicador seja o CDI e a taxa de performance definida ficou em 20%. Assim, a taxa cobrada é 20% sobre o rendimento que superou o CDI. Se não for ultrapassado, não há cobrança da taxa.

Apesar dessas taxas, há a vantagem de contar com um gestor especializado para garantir o melhor retorno possível. Por isso ele será remunerado. Outros impostos podem variar bastante, mas o IOF sempre será cobrando se for resgatado antes dos 30 dias da aplicação. É bom lembrar também que os fundos de investimentos não são cobertos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

Assim, não se trata de um fundo de investimentos, mas sim de diversos tipos de aplicações que você pode selecionar conforme seu perfil e suas necessidades. Você escolhe o tipo de fundo, mas não os investimentos feito dentro dele.

Por exemplo, se você investe em fundos de ações, o gestor especializado seleciona as ações que têm o potencial de trazer melhores taxas de rentabilidade. Essa é uma das grandes vantagens dos fundos de investimentos: contar com o direcionamento de um profissional. Então, conheça melhor como funciona alguns desses fundos!

Confira 5 fundos de investimentos

1. Fundos multimercados

Os fundos multimercados são fundos no qual o gestor tem a liberdade de aplicar o patrimônio em diferentes tipos de ações — títulos de renda fixa, ações, moedas — no Brasil ou mesmo no exterior. Por esse motivo, o gestor terá uma diversidade maior de investimentos quando comparado com outros fundos.

Por não ficar restrito a uma classe só, o administrador pode investir no ativo que der melhores oportunidades de rendimentos. Mas é exatamente devido a essa liberdade que os fundos multimercado podem expor o investidor a um risco maior e, ao mesmo tempo, a taxas maiores de rentabilidade.

Por isso, são indicados para pessoas com perfil de risco moderado. Além disso, recomenda-se garantir um investimento de longo prazo, proporcionando uma expectativa maior de retorno.

2. Fundos de previdência

Os fundos de previdência contam com um gestor especializado em previdência que investe em ativos com vencimentos de longo prazo, uma vez que está relacionada à aposentadoria. Dessa forma, quem investe em fundos de previdência está ciente que o rendimento maior virá após anos de aplicação.

Suas principais características incluem:

  • o prazo médio que os investidores mantêm o dinheiro no fundo (duration) é maior. Por isso, os títulos de benefícios serão mais longos;
  • existe uma carta compromisso com uma composição de ativos em parcelas definidas para cada classe de investimentos. Por exemplo, 80% em renda fixa e 20% em variável;
  • mensalmente, é realizada um rebalanceamento da carteira para garantir que os percentuais da carta compromisso sejam seguidos.

Os fundos de previdência têm características próprias no que se refere ao regime de tributação e às regras específicas do plano de previdência privada selecionado. Além disso, é necessário ficar atento a taxas de carregamento e de administração, para que os valores pagos não comprometam a rentabilidade.

3. Fundos imobiliários

Também chamados de FIIs, os fundos imobiliários são formados por ativos do setor imobiliário. É como se você estivesse comprando pedaço de diversos imóveis, como shoppings, condomínios, escritórios etc.

O gestor do fundo é especializado no setor imobiliário, sempre compondo a carteira de modo a trazer maior rentabilidade. Outra vantagem é que não há a cobrança de Imposto de Renda em cima da rentabilidade. O IR só vai incidir sobre a valorização da cota, por ocasião da venda da sua participação.

4. Fundos de ações

De acordo com a ANBIMA, 67% dos fundos de investimentos em ações devem ser formados por ações da bolsa, ou ativos do gênero, como bônus de subscrição e BDRs (Brazilian Depositary Receipts). É uma forma de investir na bolsa sem comprar diretamente as ações das empresas. Assim como nos outros casos, os custos e os rendimentos são divididos entre os cotistas.

A carteira é gerenciada por um gestor ou uma equipe especialista que acompanha diariamente o desempenho das empresas escolhidas. Como referência de rentabilidade, esses tipos de fundos normalmente selecionam um índice de ações, como o Ibovespa.

5. Fundos de investimentos em participações

FIPs (Fundos de Investimentos em Participações) são fundos de renda variável que aplicam os recursos especificamente em empresas, geralmente de capital fechado, ou seja, que não estão disponíveis para negociação na Bolsa de Valores. Em outras palavras, compra-se uma participação em empresas, virando sócio delas.

Os grandes riscos do investimento também estão atrelados ao seu enorme potencial de rentabilidade. Dentro dessa estratégia, é possível comprar participação em empresas com boas chances de desenvolvimento e vender quando apresentarem um bom nível de crescimento. A rentabilidade do fundo compreende a diferença entre o primeiro e o último estágio dessa empresa.

 

Os tipos de fundos de investimentos não terminam por aqui. Mas já deu para você perceber que essa espécie de estratégia pode ser bem vantajosa, especialmente por contar com profissionais e equipes especialistas que farão de tudo para o seu dinheiro render.

Gostou do conteúdo? Continue acompanhando nosso blog e fique por dentro do mercado de fintechs no Brasil!

Empreendedor fun dador da Nexoos.Apaixonado por tecnologia e empreendedorismo, especialmente Fintech. Engenheiro de formação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s